As vacinas não evitam casos graves de Covid ou morte

“Os dados do mundo real que agora estão disponíveis para nós expuseram claramente a falsidade das alegações originais dos fabricantes”

Nos últimos meses, testemunhamos um fracasso total das vacinas para conter a propagação do Covid-19. Na verdade, em vez de diminuir a incidência da doença, as injeções parecem facilitar. A saber, vários países com taxas de vacinação muito altas – como Israel, Grã-Bretanha e Seychelles, por exemplo – também estão apresentando algumas das taxas de infecção mais altas.

Considere esta manchete da CNBC de maio deste ano: As Seychelles são a nação mais vacinada do planeta. Mas a Covid aumentou drasticamente.

Israel é hoje talvez o exemplo mais flagrante disso. Um dos países mais vacinados do mundo, agora está relatando a maior taxa de transmissão de Covid do planeta. Além do mais, Israel lidera essa estatística indesejável por uma margem surpreendentemente ampla. Considere esta informação chocante do Mail Online:

“Estatísticas compiladas pela equipe de pesquisa apoiada pela Universidade de Oxford, Our World in Data, mostram que houve um recorde de 1.892 casos de Covid por milhão de pessoas em Israel na quarta-feira – quase 0,2% de toda a população em um único dia. Isso foi significativamente maior do que a Mongólia, a segunda pior atingida, onde a taxa foi de 1.119 por milhão”

Isso deve abrir os olhos das pessoas para a mentira que nos disseram sobre a eficácia das vacinas. Se você se lembra, inicialmente foi afirmado que as vacinas eram 92 a 96% eficazes contra a Covid-19 e que essas vacinas eram o caminho para a liberdade e o fim da pandemia.

Foi assim, por exemplo, que esses números foram relatados em um artigo no Yahoo Finance em novembro do ano passado: “A vacina da Pfizer é 95% eficaz na prevenção de COVID-19, enquanto a Moderna Inc declara que sua vacina tem a mesma eficácia”.

As alegações iniciais de eficácia da vacina, no entanto, foram baseadas na manipulação deliberada dos dados do ensaio, em que os fabricantes de vacinas relataram redução relativa do risco em oposição à redução absoluta do risco que seria alcançada por seus produtos. Este estudo científico explica o problema. Como você pode não ter tempo ou paciência para percorrer as fórmulas e o jargão técnico, gostaríamos de chamar sua atenção para um quadro revelador apresentado pelos autores.

Observe a grande diferença na redução do risco relativo e absoluto para as vacinas Pfizer e Moderna. Enquanto os fabricantes continuavam falando sobre os números de 95,1 e 94,1%, que, de fato, pareciam muito impressionantes, a redução do risco absoluto foi de apenas 0,7% e 1,1%, respectivamente. O último conjunto de números quase nunca foi mencionado nas principais reportagens sobre o assunto.

Os dados do mundo real que agora estão disponíveis para nós expuseram claramente a falsidade das alegações originais dos fabricantes. Não querendo aceitar a responsabilidade por esse desastre, os vacinadores mudaram previsivelmente sua narrativa. Agora, eles estão nos dizendo que, embora suas vacinas não nos protejam contra infecções, ainda são muito eficazes na proteção contra doenças graves e morte.

Este se tornou, de fato, o novo mantra do establishment Covid. Este mantra é repetido em todas as notícias de grande circulação – seja na mídia impressa ou na TV – que discute o óbvio fracasso das vacinas em impedir a propagação da infecção por Covid.

“Se você for vacinado”, eles nos dizem, “você ainda pode se infectar, mas não ficará gravemente doente ou morrerá porque as vacinas ainda são eficazes contra isso”.

A afirmação de que as vacinas protegem contra Covid grave e morte, no entanto, é outra mentira nua e crua que é facilmente refutada por dados do mundo real. Esta alegação é baseada na mesma metodologia fraudulenta que foi usada para apoiar as primeiras alegações falsas de eficácia da vacina.

Você pode ver facilmente a verdade se olhar os números reais coletados em campo. Se o fizer, você aprenderá rapidamente que a maioria dos casos graves de Covid e morte em países com programas avançados de vacinação ocorrem entre os vacinados.

Considere a seguinte seleção de relatórios e notícias:

De acordo com o Hospital Review de Becker, em 15 de agosto, quase 60% das pessoas hospitalizadas por Covid em Israel estavam totalmente vacinadas.

De acordo com o Dr. Kobi Haviv, que é diretor médico do Hospital Herzog em Jerusalém, 95% dos casos graves de Covid em seu hospital estão totalmente vacinados.

De acordo com uma reportagem do Jerusalem Post, a esmagadora maioria dos que morreram de Covid em Israel na primeira metade de julho – quinze em cada vinte pessoas – eram pessoas totalmente vacinadas.

De acordo com um relatório recente da agência governamental do Reino Unido, Public Health England, aqueles que receberam a vacina COVID-19 têm três vezes mais probabilidade de morrer da variante Delta do que pessoas não vacinadas.

De acordo com um artigo publicado no Vision Times no início de julho, as taxas de mortalidade e hospitalização no Reino Unido são mais altas para os vacinados do que para os não vacinados. Isso é o que aprendemos:

“A taxa de mortalidade de indivíduos totalmente vacinados foi de 0,636%, o que foi 6,6 vezes maior do que a taxa de mortalidade não vacinada de 0,0957%… Indivíduos totalmente vacinados também foram considerados mais propensos a hospitalização do que seus homólogos não vacinados. Das 4.087 pessoas totalmente vacinadas, 2,05% (84 pessoas) acabaram em um hospital. Entre as 35.521 pessoas não vacinadas, apenas 1,48% (527 pessoas) foram hospitalizadas.”

De acordo com um relatório de julho do Medical Xpress, “Mais britânicos vacinados do que não vacinados estão morrendo de coronavírus”.

De acordo com outro relatório britânico, “a maioria das mortes de Covid ocorre em pessoas totalmente vacinadas”. Aqui estão os dados a que se referem:

“De 1º de fevereiro a 2 de agosto, a Grã-Bretanha registrou 742 mortes da variante delta. Destes, 402 foram totalmente vacinados, enquanto 79 receberam apenas uma injeção. Os 253 casos restantes não foram vacinados.”

O relatório também observa o seguinte: “Em Israel e também no estado americano de Vermont, a maioria das novas hospitalizações foram totalmente vacinadas.”

Em uma postagem recente, Alex Berenson, um ex-jornalista do New York Times (agora cancelado), apresentou um gráfico elaborado a partir de dados do governo do Reino Unido que mostra um número crescente de mortes de Covid, mesmo quando a campanha massiva de vacinação do país cobriu quase 90% da população adulta. Lembre-se de que a maioria dessas mortes ocorre entre as pessoas totalmente vacinadas. “Algo está muito, muito errado”, observa Berenson com propriedade.

Não há mais o que dizer sobre as afirmações desonestas de que as vacinas irão proteger contra o desenvolvimento de Covid grave e morte.

Os dados recolhidos em campo mostram uma história completamente diferente. Qualquer um que diga o contrário está enganando você. Infelizmente, hoje em dia, essa mentira está embutida em quase todas as histórias da mídia ou reportagens sobre as vacinas.

A evidência dos números do mundo real mostra claramente que as vacinas não impedem a Covid grave ou a morte. Aqueles que afirmam o contrário não estão dizendo a verdade. Essas pessoas ignoram os fatos ou mentem deliberadamente.

Artigo original aqui

Fonte: Instituto Rothbard (Por Vasko Kohlmayer – rothbardbrasil.com)

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta