TCE-MT julga regulares tomadas de contas referentes a projetos culturais

O Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso julgou regulares duas tomadas de contas especiais instauradas pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer em razão de supostas irregularidades nas prestações de contas dos termos de concessão de auxílio para realização do projeto Cuiabá Ribeirinha e de convênio para realização do 7° Festival do Pequi de Poxoréu.

Os processos, ambos sob relatoria do conselheiro José Carlos Novelli, foram apreciados na sessão ordinária de terça-feira (1°).

Em relação ao termo de concessão de auxílio firmado em 2013 para realização do projeto Cuiabá Ribeirinha, no valor de R$ 20 mil, a comissão de tomada de contas especial do Executivo Estadual assinalou que não houve a utilização de conta bancária especifica, bem como apontou ausência de comprovante de pagamento e a não realização de pesquisas de preços.

O conselheiro, por sua vez, ressaltou ter constatado que do total de R$ 20 mil repassados ao projeto, o responsável comprovou despesas que perfizeram R$ 19.975, 20. “Assim, com base no princípio da insignificância, deve se reconhecer que o dano apurado, no valor de R$ 24,80, é irrelevante do ponto de vista material, pois não provocou lesão substancial ao Estado de forma que não se mostra razoável e tão pouco proporcional a reprovação das contas”.

Além disso, em consonância com o parecer da equipe técnica do TCE-MT, o relator entendeu que a utilização de conta diversa da apresentada para recebimento do recurso e a não realização de cotação de preços são, no contexto desse caso concreto, ocorrências de natureza formal, as quais não descaracterizam os gastos devidamente comprovados. (Clique aqui e confira o vídeo completo do julgamento).

Quanto ao convênio firmado pela Pasta em 2013 para realização do 7° Festival do Pequi de Poxoréu, no valor de R$ 27,5 mil, Novelli destacou que, embora a responsável não tenha apresentado a comprovação do vínculo de exclusividade entre a empresa e os profissionais responsáveis pela produção artística, a ausência de comprovação de danos ao erário afasta a possibilidade de ressarcimento ao ente público, sob pena de enriquecimento ilícito da administração.

“Quanto à imposição de multa à responsável, tendo em vista a notícia do seu falecimento em 2018, reconheço a extinção da punibilidade neste caso concreto”, votou. (Clique aqui e confira o vídeo completo do julgamento).

Frente ao exposto, em consonância com o parecer do Ministério Público de Contas (MPC), votou pela regularidade das tomadas de contas especiais, sendo seguido por unanimidade do Pleno em ambos os casos.

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta