EUA, Reino Unido, Índia, Japão, Austrália, México, Nova Zelândia, Coreia do Sul e UE formam aliança de Inteligência Artificial anti-China

Austrália, Canadá, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Cingapura, Eslovênia, Reino Unido, EUA e União Europeia se uniram para criar uma aliança de Inteligência Artificial anti-China, a Parceria Global em Inteligência Artificial (em Inglês, GPAI ou Gee-Pay).

A iniciativa de várias partes interessadas visa o desenvolvimento responsável da Inteligência Artificial de IA, com foco em direitos humanos, diversidade, inovação, inclusão, inovação e crescimento econômico.

“Como membros fundadores, apoiaremos o desenvolvimento responsável e centrado no ser humano e o uso da IA ​​de maneira consistente com os direitos humanos, liberdades fundamentais e nossos valores democráticos compartilhados, conforme elaborado na Recomendação da OCDE sobre IA. Para esse fim, esperamos trabalhar com outros países e parceiros interessados”, diz a Declaração conjunta dos membros fundadores da Parceria Global sobre Inteligência Artificial, publicada na segunda-feira (15).

Um objetivo não dito da iniciativa é enfrentar a China, que deixou países ao redor do mundo quilômetros para trás no desenvolvimento da Inteligência Artificial.

O mundo democrático está preocupado com a ascensão exponencial da China no campo, pois o país está usando a tecnologia para espionar outros países; construir um programa de vigilância massivo através do reconhecimento facial; e abuso de direitos humanos em todo o país, principalmente na província do Tibete e Xinjiang.

Uma simples pesquisa no Google sobre os ‘países que lideram a corrida pela tecnologia de Inteligência Artificial’ diria que a China está muito à frente de qualquer outro país com muitos milhões de dólares em startups, incluindo a Sensetime, que se tornou a primeira startup de IA a arrecadar mais de um bilhão de dólares. Todos os anos, mais de 10 bilhões de dólares são investidos em startups de IA, mais da metade dos quais são para startups chinesas.

Portanto, os países ao redor do mundo se uniram para cooperar no campo, o que deve ajudar esses países a correr à frente do dragão e desenvolver a tecnologia para uso ético.

De acordo com a declaração do grupo, o GPAI será apoiado por um secretariado organizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em Paris, bem como por dois Centros de Especialização – um em Montreal e o outro em Paris.

“Em colaboração com parceiros e organizações internacionais, o GPAI reunirá os principais especialistas da indústria, sociedade civil, governos e academia para colaborar para promover a evolução responsável da IA ​​e também desenvolverá metodologias para mostrar como a IA pode ser aproveitada para melhor responder à atual crise global em torno da COVID-19 ”, diz o comunicado oficial.

Plano global do Partido Comunista Chinês

Atualmente, a China lidera a corrida global da IA, devido ao impulso significativo do governo comunista nos últimos anos. Em 2017, o governo comunista lançou um plano para tornar a China líder global em IA até 2030, com a indústria no valor de 1 trilhão de yuans (150 bilhões de dólares).

“A inteligência artificial se tornou um novo motor de desenvolvimento econômico”, diz o documento oficial do Conselho de Estado chinês.

A estratégia chinesa de IA seria focada em usos militares e cidades inteligentes, com gigantes da tecnologia como Alibaba e Baidu facilitando o desenvolvimento. O governo americano está preocupado com o avanço da China no campo, e um artigo divulgado pelo Pentágono sugeriu um controle mais rígido do investimento chinês em startups americanas.

“Se permitirmos que a China acesse essas mesmas tecnologias simultaneamente, não apenas perderemos nossa superioridade tecnológica, como também estaremos facilitando a superioridade tecnológica da China”, diz o artigo.

Papel dos EUA e Índia

A Índia poderia ajudar o mundo livre a vencer a China na IA, já que os engenheiros indianos estão entre os pesquisadores mais proeminentes no campo. E a nata dos pesquisadores de IA dos Estados Unidos – que é a segunda nação mais poderosa no campo depois da China- vem da Índia. A Índia tem um número significativo de capital humano de primeira classe, que poderia liderar o mundo livre na corrida pela IA, se financiado adequadamente.

A nova parceria do GPAI ajudaria os pesquisadores em todo o mundo livre a colaborar e financiar ideias uns dos outros, se um país com fome de capital, mas rico em talentos como a Índia, enfrentasse dificuldades.

Nos próximos anos, será possível avaliar se esse novo agrupamento estará assumindo com sucesso o domínio da China ou não.

Fonte: Conexão Política (Por Thaís Garcia)

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta