Mark Zuckerberg é ‘pessoa mais perigosa do mundo’, diz professor

Para Scott Galloway, da Universidade de Nova York, integração dos serviços de mensagens do Facebook, WhatsApp e Instagram vai aumentar ainda mais o poder do CEO

Bem vindo ao Player Audima. Clique TAB para navegar entre os botões, ou aperte CONTROL PONTO para dar PLAY. CONTROL PONTO E VÍRGULA ou BARRA para avançar. CONTROL VÍRGULA para retroceder. ALT PONTO E VÍRGULA ou BARRA para acelerar a velocidade de leitura. ALT VÍRGULA para desacelerar a velocidade de leitura
Mark Zuckerberg
Divulgação

Mark Zuckerberg, ‘pessoa mais perigosa do mundo’ segundo professor da Universidade de Nova York

O fato de Mark Zuckerberg ser dono do Facebook, WhatsApp e Instagram, o torna “a pessoa mais perigosa do mundo”, segundo Scott Galloway, professor da Escola de Negócios da Universidade de Nova York.

No programa “Bloomberg Markets: The Close”, Galloway comenta a iniciativa do Facebook de integrar os serviços de mensagens das três plataformas. Pois, embora os usuários possam escolher usar os serviços individualmente, os três aplicativos ficarão sem a mesma infraestrutura técnica de back-end.

“Mark Zuckerberg está tentando criptografar o backbone [rede principal pela qual os dados de todos os clientes passam] entre o WhatsApp , o Instagram e a plataforma principal, o Facebook , de tal forma que ele tem uma rede de comunicação de 2.7 bilhões de pessoas”, disse Galloway na entrevista à Bloomberg . “O que poderia dar errado?”, indaga o professor.

“A noção de que vamos ter um indivíduo decidindo os algoritmos para um backbone criptografado de 2.7 bilhões de pessoas é assustador – independentemente das intenções da pessoa”, afirma Galloway.

O professor também expressa preocupação em relação às práticas democráticas, “uma salvaguarda fundamental para a sociedade é a diversidade de meios de comunicação/pontos de vista, verificações e equilíbrio”.

Além disso, Galloway ainda alerta que a iniciativa do Facebook de integrar a infraestrutura de mensagens poderia, na verdade, ser um esforço para construir uma defesa contra um possível caso de antitruste – lei que pune práticas anticompetitivas e fiscaliza a formação de monopólios e cartéis, evitando a grande concentração de poder econômico. O caso está sob revisão do Departamento de Justiça dos EUA, que também deve investigar outras empresas de tecnologia, de acordo com uma reportagem do The Wall Street Journal .

Zuckerberg não vai aceitar uma imposição do governo para acabar com o projeto. “O que o Facebook está tentando fazer é tomar medidas preventivas contra qualquer tipo de antitruste para que [Zuckerberg] possa dizer: ‘seria impossível desfazer isso agora'”, disse Galloway à Bloomberg.

Fonte: CNBC (Por IG Tecnologia)

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta