Investigada pelo STF, Isabella Trevisani critica ministros: ‘Se sentem deuses’

Isabella Trevisani e Rubinho Nunes foram os convidados do Pânico nesta terça-feira (23)

A estudante de direito e ativista política Isabella Trevisani foi um dos alvos do inquérito das “fake news” aberto pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, o mesmo que determinou a censura à revista Crusoé e ao site O Antagonista. A investigação, no entanto, não impediu que ela continuasse com as críticas. “Eles se sentem deuses. O povo está cansado do STF querer ser deus”, disse ao Pânico nesta terça-feira (23).

Como alvo do inquérito, Trevisani recebeu a visita de agentes da Polícia Federal em sua casa. Eles apreenderam o HD de seu computador e um tablet. “Eles chegaram às 6h da manhã e acalmaram minha mãe. Foi super tranquilo”, contou a ativista, que não estava em casa na hora. “Eles não foram agressivos”, disse.

Depois, Isabella se apresentou à PF para prestar depoimento antes mesmo de ser intimada. O inquérito, que tem o ministro Alexandre de Moraes como relator, está sob segredo de Justiça. Por isso, a ativista não teve acesso ao processo. “Até agora eu não sei exatamente o teor do processo”, revelou.

Isabella Trevisani acredita que virou alvo da investigação porque provocou os ministros do STF nas redes sociais e nas ruas. “A gente ter colocado o povo na rua incomodou muito o STF. Eles pegaram algumas pessoas para usar de exemplo para o povo não ir para a rua”, especulou a estudante. Em uma das ocasiões, ela jogou ovos no carro de Dias Toffoli. “Quando joguei o ovo, não foi para atacar ele, mas foi para levar o recado do povo brasileiro.”

Para ela, o povo brasileiro já está cansado dos desmandos do STF. “O STF tem um poder absoluto, se sentem donos do país. Passam por cima do Congresso e até do presidente da República se necessário”, afirmou. Ela também atacou as relações entre o legislativo e o judiciário. “O [Davi] Alcolumbre [presidente do Senado] está em festinha com o Toffoli enquanto a gente faz esse debate todo. O Rodrigo Maia [presidente da Câmara] está com o Gilmar Mendes”, disse.

Mourão x Bolsonaro

Candidata a deputada estadual nas eleições do ano passado, Isabella Trevisani é filiada ao PRTB, partido do vice-presidente, Hamilton Mourão. Ela defendeu o general na polêmica com Carlos Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro. “Não vou defender o Mourão de tudo, mas tem coisas acontecendo nos bastidores que o Mourão não faz nem ideia”, contou.

Apesar de reconhecer que os problemas entre Mourão e Bolsonaro deveriam ficar nos bastidores, a ativista defendeu que as divergências podem acabar tendo um papel positivo. “É muito útil essa questão dos dois terem pontos divergentes para mostrar que o governo não é ditadura”, explicou.

Fonte: Jovem Pan

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta