MPF diz que Lula faz da prisão seu “comitê de campanha” e quer barrar Gleisi

Força-tarefa da Lava Jato criticou excesso de visitas ao ex-presidente e sugeriu punição; Gleisi diz que MPF quer submeter Lula a “antro de exceção”

Procuradores da Lava Jato querem informações sobre visitas

Fernando Frazão/Agência Brasil – 6.6.16

Procuradores da Lava Jato querem informações sobre visitas “de qualquer natureza e espécie” a Lula na prisão

A força-tarefa de procuradores que atuam na Operação Lava Jato criticou o excesso de visitas ao  ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na sala onde ele está preso desde abril, na superintendência da Polícia Federal em Curitiba. A reclamação dos integrantes do MPF consta de petição levada na noite dessa terça-feira (14) à juíza Carolina Lebbos, responsável pelos processos sobre a execução da pena de 12 anos e 1 mês de prisão imposta ao petista.

Os procuradores da Lava Jato classificam como “aparente tentativa de ludibriar as regras” o fato de lideranças do PT como a senadora Gleisi Hoffmann, o candidato a vice-presidente Fernando Haddad e o secretário de finanças e planejamento do partido, Emidio de Souza, terem sido incluídas no quadro de advogados de Lula para poderem visitá-lo na prisão.

“O fato de ser executada pena restritiva de liberdade em estabelecimento especial, não significa que ao apenado seja permitido, ou assegurado indiscriminadamente, receber a visita de tantas pessoas, em qualquer dia, como vem ocorrendo”, diz a petição.

O MPF sugere que as visitas dos petistas a Lula não têm relação nenhuma com sua defesa no âmbito da ação penal na qual ele foi condenado , mas tratam-se de um meio de fazer da prisão seu “comitê de campanha”.

“As visitas não têm por objetivo a defesa judicial do apenado, senão a de possibilitar, por parte de Lula, a condução e a intervenção no processo eleitoral de quem materialmente está inelegível”, apontam os autores da reclamação.

Com essa petição, os procuradores querem que a juíza Carolina Lebbos cobre informações da Polícia Federal a respeito das “visitas de qualquer natureza e espécie” recebidas por Lula na prisão para que seja possível avaliar a necessidade de impor algum tipo de punição disciplinar ao petista. O MPF também pede que a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, seja retirada da defesa de Lula e, assim, fique impedida de visitá-lo em Curitiba.

Gleisi contesta petição da força-tarefa da Lava Jato

Força-tarefa da Lava Jato quer impedir Gleisi de visitar Lula na prisão
Reprodução/ Twitter

Força-tarefa da Lava Jato quer impedir Gleisi de visitar Lula na prisão

Por meio de uma rede social, Gleisi criticou a petição dos procuradores da Lava Jato e relembrou episódio contestado pelos petistas de quando a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, divulgou manifestação contra a decisão de desembargador plantonista do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4) em soltar o ex-presidente. “O MP não consegue explicar a conduta ilegal de sua procuradora, Raquel Dodge, no impedimento de soltar Lula e agora quer transformar a Vara de Execuções em um antro de exceção. Jamais se viu limitar a visita de advogado ao réu. Nem na ditadura!”, escreveu Gleisi em seu Twitter.

Fonte: Último Segundo

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta