Cabo responsabiliza a família Taques pela instalação de grampos ilegais

Depoimento do cabo Gerson, sobre esquema de grampos ilegais no Governo do Estado, afeta o coração da família Taques.

Questionado pelo juiz Murilo Mesquita, em audiência que começou às 14h de sexta (27) e só terminou às 4h da madrugada deste sábado (28), Gerson ressalta que não tem intenção de defender o coronel Zaquel, complicado neste processo, e sim defender a própria honra, a família e o nome, na corporação.

Ele admite que cumpriu ordens porque se entra no jogo não gosta de sair e afirma que o verdadeiros donos da grampolândia é Pedro e Paulo Taques.

Leia trechos do depoimento em que os Taques são citados

Cabo Gerson: “Excelência, fazendo um adendo, longe de querer defender o coronel Zaqueu porque vim aqui para me defender, minha família e minha honra. Mas Excelência, o dono disso aqui não é o coronel Zaqueu. O dono disso aqui, para mim, sem nenhuma dúvida, chama-se Paulo Taques”.
Juiz: “Por conta própria?”

Cabo Gerson: “Excelência, se foi por conta própria ou se não foi… o que eu narrei até agora, tire suas conclusões, mas o dono disso aqui não sou eu e não é o coronel Zaqueu, não. Longe de querer defender o coronel Zaqueu, recebi a ordem dele. A ordem é absurda? Absurda. Eu entrei, como eu falei, quando eu entro num jogo não quero sair”.

Juiz: “Em nenhum momento você pensou em sair, em recursar por ser ilegal?”

Cabo Gerson: “O que eu não queria era ouvir, Excelência, essa que é a verdade. Única coisa que pedi pro coronel Zaqueu, ele sabe disso. Falei: eu sou um homem de caráter, não vou ouvir, vou gravar e colocar num pendrive e o senhor faz o que quiser com isso, mas eu não ouvi Excelência. O que ouvi é o que narrei aqui”.

Juiz: “Cabo Gerson, além do coronel Zaqueu, do Paulo Taques, alguma outra autoridade do Poder Executivo tinha ciência dessa barriga de aluguel no governo Pedro Taques? Estou perguntando inclusive do chefe do Executivo”.

Gerson responde: “Excelência, eu sou categórico. É difícil eu falar assim, mas o interesse…”

Juiz: “Digo, por conta de alguma coisa que o senhor ouviu do próprio Paulo Taques”.

Cabo Gerson: “O que eu falei, o que eu ouvi sobre essa do coronel Mendes para mim é o ponto chave. Por que que começou tudo isso? Para identificar quem estava grampeando o então candidato a governador Pedro Taques. Diante disso, posso aferir sem nenhuma dúvida. O dono disso aqui para mim não é o coronel Zaqueu, para mim é Paulo Taques e o governador Pedro Taques”, acusa.

Fonte: RDNews (Eduarda Fernandes)

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta