Mel pode ser opção de renda dentro das atividades da agricultura familiar

NORTE AGROSHOW – A Sedec já vem desenvolvendo um trabalho voltado aos produtores de mel há mais de um ano com visitas periódicas às propriedades e orientações técnicas aos produtores

A primeira edição da Norte AgroShow tem agradado aos visitantes e atraído muitas pessoas em busca de conhecimento técnico. Parceira do evento, a Prefeitura de Sinop levou assuntos relacionados à agricultura familiar e um dos que mais tem chamado a atenção é a cadeia produtiva do mel que tem atraído, principalmente, produtores em busca de informação.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Daniel Brolese, explica que o objetivo do stand, na feira, é, inclusive, incentivar novos produtores a entrar na cadeia do mel como forma de implementação de renda. “Estamos trabalhando as várias frentes da agricultura familiar como forma de renda e não de subsistência e o mel tem sido um nicho muito interessante para a economia”.

Em Sinop e região são, pelo menos, 75 produtores de mel que, juntos, abastecem o mercado. No ano passado [2017], somente o produtor Sérgio foi responsável por colocar no mercado 30 toneladas de mel. Assim como ele, Inês, tirou de suas 23 colmeias 2 toneladas que, segundo o técnico da Sedec e especialista em apicultura, Luiz Nogueira, tem uma variação de mercado para a comercialização no atacado de R$ 8 a R$ 12.

Nogueira avalia, ainda, que a atividade pode ser extremamente rentável. Segundo ele, para montar uma colmeia a pessoa gastará, em média, R$ 175 [R$130 para a colmeia e R$ 45 para a cera]. Depois disso, os custos começam a baratear, pois a produção de cera, por exemplo, já começa a ser auto-sustentável.

A Sedec já vem desenvolvendo um trabalho voltado aos produtores de mel há mais de um ano com visitas periódicas às propriedades e orientações técnicas aos produtores. Agora está voltando, também, sua atenção para captação de novos produtores com ações de palestras para as escolas da Gleba Mercedes V, por exemplo.

Outra ação bastante importante que o técnico Manildes dos Santos cita, é o trabalho de capacitação e conhecimento técnico que estão oferecendo aos novos assentados das regiões alagadas pelas obras da usina hidrelétrica de Sinop. “Estamos levando às famílias dos assentamentos São Judas Tadeu e 12 de Outubro o conhecimento necessário para que iniciem a criação de abelhas como atividade profissional e econômica contribuindo, assim, para o orçamento familiar”, explica corroborando com as palavras do secretário em que a agricultura familiar deve ser fomentada como fonte de renda e não apenas de subsistência.

Nessa quinta-feira, 07, o stand da Sedec na Norte Agroshow recebeu visitantes de três escolas municipais. A aula itinerante despertou, em muito, o interesse das crianças que não pouparam os técnicos de perguntas. O tema que mais chamou a atenção de Maria Júlia foi as abelhas que elogiou a iniciativa da Secretaria. “Eu não sabia como se diferenciava uma abelha da outra. Eu achei muito legal, da parte deles, trazer abelhas pra gente ver”.

Rafael Torquato também elogiou as abelhas, mas não poupou elogios aos maquinários agrícolas. “Aprendi muitas coisas sobre as abelhas. Que as abelhas têm várias fases diferentes como o “zangado” , rainha, mas o que eu achei mais legal foram os tratores porque deu pra ver a tecnologia que eles têm”.

Amanhã, sexta-feira, 08, a Sedec oferecerá um ciclo de palestras com temas relacionados ao mel. O palestrante, Edney de Oliveira Magalhães (engenheiro agrônomo e pesquisador da Ceplac / Bahia) falará sobre melhoramento genético de rainha, apis e produção de pólem. Já o apicultor e médico veterinário, Gustavo Bijus, falará sobre manejo de alta produtividade.

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta