Bebê indígena enterrada viva por avó é resgatada pela PM e passa bem

Uma recém-nascida indígena foi enterrada viva pela avó, mas acabou resgatada na noite de terça-feira (5), por uma equipe de policiais militares em uma comunidade indígena localizada no bairro Nova Canarana, em Querência (a 945 km a nordeste de Cuiabá). Ela está com o quadro clínico estável devido a uma deficiência respiratória discreta. O último boletim médico da menina foi divulgado depois que a criança passou por uma bateria de exames. Ela continua internada no Hospital Regional Paulo Alemão de Água Boa (a 730 km ao Leste da Capital). A Polícia Militar divulgou um vídeo do resgate que mostra o exato momento em que a criança é retirada de um buraco. Assista no final da matéria.

De acordo com informações do boletim de ocorrência, o caso foi registrado por volta das 20h, quando os policiais receberam uma denúncia de que uma indígena de 15 anos, havia dado a luz a uma menina por volta das 12h, e já as 16h a criança teria sido enterrado pela avó com consentimento da mãe no terreno do lote ao lado da residência onde mora a família. A informante também afirmou que comunicou a polícia apenas no período da noite porque foi o horário em que ela recebeu a informação.

Diante da denúncia, os policiais resolveram seguir o endereço e localizaram a casa apontada pela denunciante. No residência estava a avó da bebê, identificada apenas como Tapoalo, que confirmou o caso.

Em depoimento, a mulher disse que enterrou a criança no quintal da casa porque a menina tinha nascido morta por ser prematura e, por ser tradição da família resolveu não comunicar ninguém. A versão também foi confirmada pela mãe da menina.

Porém, uma enfermeira que presta serviços na região para a Casa de Saúde do Índio (Casai) contou que a mulher ‘fez o enterro’ com autorização da mãe, já que a mulher é solteira e a etnia ‘Kamayurá’ não aprova.

Então, rapidamente os policiais solicitaram apoio da Polícia Civil e da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) para isolar o local. Nisso, o investigador Dicson começou a escavar a cova rasa e ouviu o choro da bebê, que foi encontrada com vida.

A criança foi retirada do buraco e socorrida rapidamente por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Ela foi levada primeiramente ao Hospital Municipal de Canarana e depois transferida para o Hospital Regional Paulo Alemão de Água Boa, porque foi diagnosticada com fraturas no crânio.

Já na delegacia, a avó da criança mudou o depoimento e disse que o pai da menina não iria assumir a criança, pois mora em outra aldeia e tem relacionamento com outra índia. Por conta disso, resolveu enterrar, pois segundo ela, o costume da etnia Kamayurá não aceita mães solteiras.

Diante dos fatos, as duas suspeitas foram detidas e encaminhadas para a Central de Flagrantes para registrar o caso que permanece sendo investigado pela Polícia Civil.

Fonte: GD (Rayane Alves)

Assista o vídeo
          

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta