Polícia garantirá redução do preço do diesel em postos, diz ministro

Sergio Etchegoyen, ministro da Segurança Institucional, garantiu que abastecimento de combustível no país já está normalizado; diesel baixa, mas gasolina e gás não devem conhecer redução de preço, avaliam congressistas

BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras que atua na distribuição e comercialização de combustíveis, já aplicou o desconto no diesel em todo o seu estoque
Marcelo Pinto/APlateia 23.05.2018

BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras que atua na distribuição e comercialização de combustíveis, já aplicou o desconto no diesel em todo o seu estoque

Após o acordo pelo fim da greve dos caminhoneiros , o governo agora concentra esforços em garantir que os postos de combustível repassem ao consumidor o desconto de R$ 0,46 no preço do diesel determinado por Michel Temer (MDB). Para tanto, afirmou Sergio Etchegoyen, ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, “todo o poder de polícia” será mobilizado.

O ministro afirmou ainda que já estão superadas as questões relativas à segurança, defesa e ao abastecimento provocadas pela greve dos caminhoneiros.

Etchegoyen acrescentou ainda que o governo irá priorizar às negociações com o Congresso, em busca de fazer avançar as medidas acertadas com os caminhoneiros que dependem de aprovação do Legislativo.

“Já temos o abastecimento normalizado em todo o país e não há mais ameaça à segurança institucional, às estradas. A partir de agora, o grupo se reorganiza para dar o protagonismo à fiscalização do que foi acordado, às questões de preço de petróleo, de diesel, fretes. E o trato político junto ao Congresso para fazer avançar as decisões que dependem do Parlamento”, afirmou, após a reunião do Grupo de Acompanhamento da Normalização do Abastecimento.

A fiscalização, garantiu Etchegoyen, será feita com “toda a energia que a situação exige”.

Ainda que em muitos postos de combustível o preço do diesel se mantenha em patamar anterior à greve, o governo não pretende prorrogar o emprego das Forças Armadas, que atuaram para liberar estradas durante a paralisação dos caminhoneiros. Encerra nesta segunda (4) a vigência do decreto que autorizou o uso das Forças.

Manter o acordo

Em acordo com representantes dos caminhoneiros, o governo cedeu às exigências da categoria. Uma das concessões foi a redução de R$ 0,46 no litro do óleo diesel pelo prazo de 60 dias. Na sexta (1°), o governo publicou portaria que trata da fiscalização para garantir que os postos de combustíveis repassem aos consumidores o desconto no preço do diesel.

Sergio Etchegoyen disse que a BR Distribuidora, subsidiária da Petrobras que atua na distribuição e comercialização de combustíveis, se antecipou e já aplicou o desconto em todo o seu estoque.

O ministro afirmou que será dado prosseguimento aos processos já iniciados relacionados à violência contra caminhoneiros e às sabotagens.

Estiveram também na reunião o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, a ministra da Advocacia-Geral da União, Grace Mendonça, o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro, o ministro substituto da Justiça, Claudemir Brito, e o almirante de esquadra Ademir Sobrinho, chefe do Estado-Maior conjunto das Forças Armadas.

Fonte: Último Segundo – *Com informações da Agência Brasil

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta