Sepúlveda diz que Cármen Lúcia não indicou se pretende pautar pedido para evitar prisão de Lula

Ex-ministro e advogado do ex-presidente se reuniu nesta quarta-feira com a presidente do Supremo Tribunal Federal. Defesa quer que plenário do STF aprecie habeas corpus preventivo.

O advogado do ex-presidente Lula, Sepúlveda Pertence, ex-presidente do STF (Foto: Bernardo Caram/G1)

O advogado do ex-presidente Lula, Sepúlveda Pertence, ex-presidente do STF (Foto: Bernardo Caram/G1)

Condenado a pena de 12 anos e 1 mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, Lula tenta, com o habeas corpus preventivo, evitar a prisão imediata depois de esgotados os recursos ao próprio TRF-4.

Após condenarem o ex-presidente, os desembargadores do TRF-4 determinaram a prisão logo após a conclusão da tramitação – no próprio tribunal – dos recursos da defesa.

A decisão tem por base entendimento do STF , de outubro de 2016, segundo a qual a pena pode começar a ser cumprida após condenação em segunda instância da Justiça (caso do TRF). O habeas corpus preventivo impetrado pela defesa de Lula tem por objetivo evitar essa prisão.

Sepúlveda Pertence, que integra a defesa de Lula, se reuniu com Cármen Lúcia nesta quarta por cerca de 30 minutos no gabinete da presidência do STF.

Ao deixar o encontro, o advogado foi abordado por jornalistas e, questionado sobre se Cármen Lúcia deu algum indicativo sobre a intenção de pautar o habeas corpus de Lula em plenário, respondeu: “Não”.

Em seguida, ao ser perguntado sobre se o encontro com a presidente do STF era para pedir celeridade ao caso, Sepúlveda Percente disse, sem dar detalhes sobre a reunião: “Eu vim saber”.

Também foi questionado sobre se, diante da indefinição do Supremo, acredita que a situação de Lula tenha se tornado “mais delicada”. E respondeu: “Vamos ver”.

Fonte: G1

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta