Em obras desde 2014, Complexo da Salgadeira deve ser concluído em março

Complexo está fechado para visitação há sete anos e, em obras, há quatro anos. Segundo secretário estadual de Turismo, obras estão avançadas. 

Iniciadas há quatro anos, as obras de revitalização do Complexo da Salgadeira, localizado na Rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251), devem ser concluídas até março deste ano, segundo afirmou o secretário-adjunto de Turismo de Mato Grosso, Luis Carlos Nigro, em entrevista à Centro América FM, na sexta-feira (23).

“Encontramos a obra paralisada e conseguimos retomá-la. As obras estão avançadas e acreditamos que até o dia 20 de março vamos entregar para a população e inaugurar o complexo”, disse.

O complexo, que é um dos principais pontos turísticos de Mato Grosso, está fechado há quase sete anos, após serem encontradas inúmeras irregularidades ambientais, como o risco de acidentes com banhistas por possíveis desabamentos da encosta da cachoeira e resíduos a céu aberto.

Segundo o governo do estado, quando a obra for concluída, a Salgadeira contará com estacionamento, guarita, posto policial, locais para instalação de lojas, restaurantes, centro dedicado ao turista, espaços para trilhas e passeios, banheiros e estações para coleta e tratamento de água e esgoto.

Além disso, o projeto prevê a implantação de uma passarela metálica ligando os dois lados do complexo, passando sobre a rodovia MT-251, e prevê a reforma com vistas a contemplação da natureza, proibindo a abertura do espaço a banhistas. Porém, de acordo com Nigro, o governo e o Ministério Público realizam estudos para garantir o uso do local como balneário, de forma controlada.

“Vai poder visitar e tomar banho. Já estamos atendendo às exigências do MP e do Juizado do Meio Ambiente e trabalhando no licenciamento do banho”, afirmou.

Irregularidades

Em janeiro deste ano, uma fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho em Mato Grosso (SRTE-MT) flagrou irregularidades nas obras de revitalização e, por causa das irregularidades, as obras foram embargadas temporariamente.

Na ocasião, três pontos vistoriados durante a fiscalização continham irregularidades, de acordo com o relatório elaborado: andaimes irregulares sem ponto para fixação de cinto de segurança; componentes elétricos sem proteção; máquinas pesadas sem sinalização de ré e falta de habilitação dos condutores.

Fonte: G1/MT

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta