Desemprego chega ao menor nível do ano, mas ainda atinge 12,6 milhões, diz IBGE

Variação de empregados sem registro aumentou 3,8% na comparação com o trimestre encerrado em agosto; na comparação com 2016, alta é de 6,9%

Queda do desemprego foi propiciada, em parte, por 857 mil brasileiros que deixaram de trabalhar com carteira assinada
shutterstock

Queda do desemprego foi propiciada, em parte, por 857 mil brasileiros que deixaram de trabalhar com carteira assinada

A retração apresentada pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) revela que 543 mil pessoas conseguiram uma fonte de renda no último trimestre. Se na comparação entre trimestres, o resultado é positivo, no confronto com o mesmo trimestre encerrado em novembro de 2016, o registro é de estabilidade, já que o índice de desemprego estava em 11,9%.

Com a retração do número de desempregados, a população ocupada chegou  a 91,9 milhões de pessoas no último trimestre. Na comparação com o mesmo trimestre de 2016, o índice apresenta alta de 1,9%, o equivalente a mais 1,7 milhão de pessoas ocupadas.

Ainda de acordo com o IBGE, a população com  carteira de trabalho assinada se manteve estável, com cerca de 33 milhões de pessoas. Por outro lado, na relação entre os meses de setembro a novembro de 2016, houve queda de 2,5%, com 857 mil brasileiros a menos com um trabalho formal.

A variação de empregados sem registro na carteira, por sua vez, aumentou 3,8% em relação ao trimestre encerrado em agosto e 6,9% frente ao mesmo período em 2016, o que significa 718 mil pessoas a mais trabalhando sem registro nos últimos doze meses.

Uma categoria que se destaca pela alta na comparação entre os trimestres de 2017 e 2016 é o de trabalhadores por conta própria , com crescimento de 5%. Em apenas um ano, mais de 1,1 milhão de pessoas tomaram a iniciativa de conseguir renda sem qualquer vínculo com um empregador. Na comparação entre os dois últimos trimestres, a categoria ficou estável.

Outra categoria que apresentou crescimento foi a de trabalhadores domésticos , que cresceu 3,5% em relação ao trimestre anterior, com 6,3 milhões de pessoas a mais. Na comparação com o mesmo período de 2016, o aumento é ainda mais significativo, 4,1%, com 250 mil novos trabalhadores domésticos.

O grupo de colaboradores no setor público se manteve estável em ambas as comparações, e continua estimado em 11,6 milhões de pessoas.

O percentual de pessoas ocupadas em idade de trabalhar foi estimado em 54,4% no trimestre de setembro a novembro, subindo 0,4 ponto percentual frente ao anterior. O mesmo aumento frente ao igual período de 2016, quando a taxa estava em 54,1%.

A força de trabalho, isto é, a soma de pessoas ocupadas e desocupadas em idade de trabalhar, foi estimada em 104,5 milhões de pessoas. Segundo a PNAD, essa população ficou estável no último semestre de 2017. No entanto, em relação ao trimestre encerrado em novembro de 2016, houve crescimento de 2,1%. O contingente fora da força de trabalhou ficou estimado em 64,4 milhões de pessoas.

Renda dos brasileiros permanece estável

A renda média dos brasileiros ficou R$ 20 reais maior que o registrado no trimestre anterior, na marca de R$ 2.142. No mesmo período de 2016, o rendimento médio era de R$ 2.087. Já a massa de rendimento real habitual cresceu 2% em relação ao trimestre encerrado em agosto, com total de R$ 191,9 bilhões. Na comparação com o mesmo período de 2016, a alta é ainda mais significativa, de 4,5%, ou R$ 8,2 bilhões a mais.

Atividades

Alguns setores do comércio registraram alta no número de pessoas ocupadas entre setembro e novembro, com destaque para a categoria de veículos automotores e motocicletas, que teve, no trimestre, 223 mil novos trabalhadores, com alta de 1,3%.

A área de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas empregou 219 mil pessoas no período, com alta de 2,2%. Na comparação com o trimestre de setembro a novembro de 2016, essa foi a categoria que mais empregou, com saldo positivo de 512 mil pessoas.

Na comparação entre os iguais trimestre de 2016 e 2017, apenas a categoria agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura apresentou aumento no desemprego, uma vez que desocupou cerca de 380 mil pessoas.

Fonte: IG economia

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta