Bolsonaro assina filiação ‘pré-datada’ ao Patriota

Filiado ao PSC, deputado federal vai trocar de sigla para a disputa pela presidência em 2018

Mesmo apresentado como o candidato do Patriota-PEN à Presidência da República desde julho, o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) continua sem ter o vínculo oficial com a legenda. A única ligação entre as duas partes é uma ficha “pré-datada”, com a filiação marcada para o dia 10 de março de 2018, assinada por Bolsonaro. Dentro da legenda, um grupo de filiados está insatisfeito com a postura do presidenciável e já fala em “saída em bloco da legenda” ou em até “apresentação de outro nome para concorrer às eleições”.

A não oficialização de Bolsonaro como membro efetivo do partido tem causado um desconforto interno na legenda. Os insatisfeitos pressionam Bolsonaro para que ele dê uma sinalização definitiva de que não deixaria o Patriota-PEN “na mão” às vésperas de uma campanha eleitoral, indo para um partido com mais tempo de TV, por exemplo.

Jair Bolsonaro irá se candidatar à presidência pelo Pen, que mudará de nome para Patriota (Arquivo O Dia) 

Essa pressão cresceu ainda mais quando o Conselho Nacional do PEN (o nome Patriota ainda não foi oficializado pelo Tribunal Superior Eleitoral) decidiu, por unanimidade, que o partido precisaria apresentar o seu candidato à Presidência no próximo dia 11 de dezembro. O deputado Walney Rocha (RJ), que também é presidente nacional do órgão partidário, afirmou que “ou Bolsonaro entra de fato no partido até a data definida pelo conselho ou não será o candidato do Patriota”. Segundo ele, já há outros nomes cogitados.

“Não é admissível ele assinar uma ficha com uma data futura. Ele está, mais uma vez, querendo ser mais esperto do que todos nós”, afirmou Rocha.

A filiação pré-datada foi a resposta do grupo de Bolsonaro e do presidente do Patriota, Adilson Barroso, para a decisão do conselho. “Ele é um homem de palavra. Ele é do nosso partido. A pré-filiação atende ao conselho e também evita que ele tenha problemas no atual partido. Se ele muda de legenda agora pode até perder o mandato de deputado. A Lei Eleitoral é muito dura”, disse Barroso. A janela partidária para troca de legendas sem perda de mandato vai de março a abril de 2018.

O presidente do PEN afirmou também que o problema de Rocha com Bolsonaro passa por uma disputa local – já que Rocha tem como base eleitoral o Rio e está vendo a família Bolsonaro assumir o comando dos postos locais. “Eu adoro o Rocha, mas ele precisa aprender a dividir para que a gente possa crescer”, disse Barroso.

Caso a entrada definitiva de Bolsonaro continue se arrastando, Rocha admitiu a possibilidade de uma saída em bloco do partido. “O Adilson Barroso está sendo enganado. O Bolsonaro está tomando todo o partido e não dando nenhuma garantia. Quando a eleição se aproximar, ele vai acabar deixando o Barroso e o partido na mão”, disse. Rocha salientou que não tem nada contra Bolsonaro e que, até mesmo, “foi favorável à entrada dele no partido”.

Outro deputado que está insatisfeito e pode deixar a legenda é Junior Marreca (MA). Com a mudança no estatuto do partido feita para se adequar ao discurso de Bolsonaro, políticos da legenda seriam proibidos de se coligar com partidos de esquerda. No Maranhão, Marreca é muito próximo do governador Flávio Dino (PCdoB). Rocha e Marreca chegaram a entrar com impugnação contra o novo estatuto do partido no TSE, mas o pedido foi negado.

Resposta

Nomes próximos de Bolsonaro afirmaram que o deputado só não assinou uma pré-filiação antes porque estaria esperando o cumprimento de um acordo: a substituição de algumas lideranças nos Estados. As principais peças movidas no tabuleiro do antigo PEN (futuro Patriota) estão no Rio, Distrito Federal, Minas, Pernambuco, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Sul. O motivo dessas mudanças seria o de transformar o antigo PEN no Patriota – ou seja, um partido verdadeiramente de direita.

Interlocutores do deputado também admitiram que a pré-filiação teria sido uma resposta de Bolsonaro ao seu “futuro ex-partido”, o PSC. O deputado não teria ficado “feliz” com o fato de o PSC ter lançado o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, como pré-candidato à Presidência da República.

PEN tenta atrair Ronaldinho Gaúcho

O PEN também tem interesse em atrair para seus quadros o ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho. As conversas estariam em andamento envolvendo lideranças do partido em Minas e o ex-atleta, além de seu irmão e empresário Roberto de Assis Moreira.

“Essa sondagem tem mesmo”, contou, sem querer se identificar, uma liderança do partido. De acordo com essa liderança, a ideia é de que Ronaldinho se lance candidato ao Senado ou à Câmara.

Fonte: O DIA (Estadão)

Powered by WP Bannerize

Deixe uma resposta